Touros

 

 

João César das Neves

Destak 12 | 06 | 2008


 

«O Tribunal de Lisboa proibiu a RTP de emitir antes das 22:30 a corrida de touros prevista para domingo [8 de Junho] às 17:00, por considerar que o programa é violento e susceptível de influenciar negativamente crianças e adolescentes» (Lusa 2008-06-05 20:50:01).

 

Compreende-se perfeitamente. Antes das 22:30 a RTP tem de estar livre para emitir todos aqueles programas que ela transmite, e que não são nada violentos nem susceptíveis de influenciar negativamente crianças e adolescentes.

 

Começa, pela manhãzinha, com os desenhos animados, onde nunca aparece violência, crimes, mortes ou jorra sangue. Em seguida vem o filme da tarde no qual, evidentemente, as tripas dos extra-terrestes espalhadas pela parede não são susceptíveis de influenciar negativamente crianças e adolescentes. Finalmente surge o telejornal, cheio de notícias edificantes, educativas, pensadas para promover as nossas crianças e adolescentes.

 

A tese oficial da nossa cultura é que na Antiguidade as pessoas eram bárbaras, e viam gladiadores e combates de feras, tinham escravos e autos-de-fé. Ainda perduram restos dessa época, como as touradas, mas a civilização entretanto elevou-nos acima dos baixos instintos.

 

Mas, de facto, as nossas crianças e adolescentes, numa tarde diante da televisão ou do computador, assistem a muito mais violência, crime, engano e miséria que uma aldeia medieval num ano de invasões bárbaras. As coisas, se mudaram desde os tempos primitivos, foi em alguns aspectos para pior. Não apenas na violência dos costumes, mas também na tolice das leis e autoridades.