Conclusões das sessões de trabalho do 6 Fórum Mundial do Observatório Europeu de Televisão Infantil (OETI) - Barcelona.

 

  1. Os investigadores presentes no Fórum Mundial expuseram e denunciaram o abuso de consumo televisivo que as crianças vivem diariamente. As crianças espanholas entre 5-10 anos consomem cerca de 2000 actos de violência na televisão, ao longo de um ano.
  2. Os participantes nos debates do Fórum denunciam o progressivo desaparecimento da franja horária televisiva dedicada às crianças. Quase não existe nas televisões espanholas uma franja concreta de televisão infantil no espaço horário da tarde.
  3. Há que denunciar publicamente o abuso das imagens violentas que sem qualquer controlo são emitidas no pequeno écran durante todo o dia, sem respeitar o horário infantil. Tem-se vindo a verificar um aumento de imagens com violência física puramente gratuita, ao mesmo tempo que cresce também a violência simbólica.
  4. O material audiovisual criado por crianças e jovens, raparigas e rapazes, e agora exibido no Festival Internacional de Barcelona, deveria estar presente no momento de interagir com os alunos das escolas. Este conjunto de materiais audiovisuais pode converter-se numa ferramenta pedagógica de primeira qualidade.
  5. Não podemos esquecer a importância da presença dos pais e mães, quando a criança está a ver televisão em casa. Uma explicação adequada ou um determinado comentário feito no momento exacto do visionamento pode contribuir decisivamente para que a criança melhor compreenda o que está a ver na televisão.
  6. È preciso fomentar na escola o trabalho das crianças sobre os diferentes meios de comunicação, sobretudo sobre a televisão. Conhecendo o funcionamento e compreendendo a linguagem audiovisual, pode-se tornar a criança / o jovem em pessoa mais crítica relativamente à televisão.
  7. É necessária uma maior intervenção das escolas no que se refere ao trabalho com os audiovisuais. A existência de uma grande inter-relação entre TV/Escola é fundamental para obter resultados válidos no campo da crítica audiovisual.
  8. Os pedagogos de todo o mundo defendem a necessidade de que a sociedade civil assuma a responsabilidade de se empenhar em favor dos conteúdos éticos.
  9. Todos os estudos efectuados coincidem em dois pontos de vista : existe um grupo de pessoas com diferentes formações académicas que afirmam que os produtos televisivos deformam a infância e um outro grupo que entende que a televisão ajuda a pessoa a crescer, afirmando inclusivamente, alguns, que até o "telelixo" deve ser utilizado como material de análise e crítica.
  10. Afirma-se a necessidade de que os espaços televisivos das televisões públicas e privadas eduquem, formem e distraiam. Esta exigência social implica ver, compreender e escolher. Só assim o espectador deixará de ser um mero consumidor para passar a utilizador consciente.