A Importância da Internet para Jornalistas e Fontes


Rui Lomelino de Freitas

Livros Horizonte

 

 

 

Com o advento da Internet, toda a vida quotidiana se transformou, mas o jornalismo é uma das áreas onde a acção da rede teve consequências mais avassaladoras, forçando empresas jornalísticas tradicionais a entrar no novo campo de acção. Mas cabe perguntar: Será que a Internet contribuiu para localizar novas fontes de informação? Será que a Internet substitui o contacto telefónico ou pessoal entre jornalistas e fontes? Por sua vez, as fontes de informação “menos poderosas”, têm, através da rede, maior acesso ao campo jornalístico?

 

Essa realidade reflecte-se na elaboração e resultado final da peça jornalística? E, relativamente aos jornalistas: Será que os blogs, chatgroups, newsgroups e fóruns são fontes inspiradoras de notícias? A Internet contribuirá para a maior exactidão das peças jornalísticas? As informações localizadas são fidedignas? A web facilita o trabalho entre os jornalistas? Eis algumas questões a que a presente obra procura responder através da apresentação de estudos teóricos e empíricos esclarecedores.

 

É consensual que a Internet mudou o Mundo. A rede começou por ser essencialmente de cariz militar, mas rapidamente os seus pressupostos afectaram o quotidiano de uma sociedade ávida de inovação. A Internet impôs-se sem dificuldades na sua rotina diária a nível pessoal e profissional. Se, no foro da intimidade, originou a criação de novos laços de amizade e outras afectividades, no campo profissional criou novas profissões e modificou formas de agir, reconfigurando os espaços temporais e físicos de uma actividade.  

 

O campo jornalístico não fugiu à regra. As mudanças produzidas pela Internet ao nível das acções, rotinas, procedimentos conceptuais foram tremendas e um vasto leque de questões desabrochou. Algumas delas encontram aqui resposta, sobretudo no que diz respeito à reconversão da própria acção do jornalista no exercício da sua actividade. Na obra aqui apresentada é possível compreender de que forma tal ocorreu, nomeadamente na recolha de informação.

 

A comparação entre as acções diárias de jornalistas ligados à imprensa, televisão e rádio, concretamente de nove meios de comunicação social portugueses (Diário de Notícias, Correio da Manhã e Público, RTP, SIC e TVI, Rádio Renascença, TSF e Antena 1), possibilita percepcionar qual o verdadeiro contributo que a rede dá a um campo que se encontra em constante mutação.